Personagens - Afluente


Assim como a Língua Negra, o Afluente segue o arquétipo de “Guardião do Limiar”, impedindo ou dificultando que o herói chegue ao seu destino. Neste caso específico, o Afluente não permite que Douradinho encurte sua aventura, tornando-se ele mesmo uma alternativa mais rápida do “paraíso” que o peixinho espera encontrar na nascente do rio.


Vaidoso, autoritário, inflexível e até insensível de início, o Afluente tem o comportamento de um rigoroso militar em seu posto, conhecedor de tudo que transita por ali, não deixando que Douradinho carregue para suas águas limpas um “lixo terrível” como a latinha.


É ele quem apresenta ao herói, e também ao leitor, um dos grandes poluidores dos rios, o lixo industrial que vem das fábricas.


“- Realmente, não dá pra entender, rapaz! O ser humano é um animal estranho. Cria coisas belíssimas e, por meio delas, destrói outras belezas…”


Com esta frase acima, o Afluente faz uma bela reflexão a respeito do consumismo e de como as sociedades humanas se afastaram do que realmente é essencial à vida: estar em harmonia com o meio ambiente.


Este capítulo do livro “Amiga lata, amigo rio” também sugere o conceito de bacia hidrográfica, de como todas as fontes de água estão interligadas, formando grandes redes. As ilustrações do Estúdio Rebimboca reforçam e complementam esta informação, mostrando graficamente outros perigos que cercam os rios, como barragens de rejeitos, hidrelétricas etc.